Você está em: Home » Notícias

 

Notica publicada em 23/03/20 às 16:39:36 hs

SUSPENSÃO DO ATENDIMENTO PRESENCIAL OBRIGATÓRIO

ADOÇÃO DE MEDIDAS EXTRAORDINÁRIAS NO ÂMBITO DA ANS PARA CONTENÇÃO DA DISSEMINAÇÃO DO COVID-19

A Unimed de Ariquemes informa aos seus beneficiários, prestadores e colaboradoeres a suspensão do atendimento presencial obrigatório por parte da operadoras por 30 (trinta) dias a partir de 23/03/2020.

Tendo em vista  o que o País vive a eminente decretação de ESTADO DE CALAMIDADE PÚBLICA a a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) decretou as Operadoras através da Nota Técnica nº 6/2020/DIRAD-DIFIS/DIFIS uma série de medidas extraordinárias visando a contingência da propagação do novo agente do coronavírus, causador da pandemia mundial.

 

Nesse período, aderimos o perfil de Home Office, onde o atendimento será realizado através dos telefones:

Atendimento – (69)9.9361-6173 e (69)9.9304-2745 (Alessandra)

Autorização - (69)9.9900-0319 (Bianca), (69)9.9249-431 (Gessica), (69)9.9992-8864 (Cristina);

Financeiro – (69)9.9224-4479 (Josieli), (81) 9-9826-8877 (Ralf);

Cadastro – (69)9-9258-1904 (Ronaldo);

OPME – (69)9.9299-44-59 (Poliana), (69)9.9248-2984 (Geane);

Contas Médicas – (69)9.8437-2370 (Zenilda), (69)9.9235-9310 (Ivete).

Assuntos relacionados ao setor financeiro também podem ser enviados através do e-mail financeiro@unimedariquemes.com.br, e assuntos sobre autorizações no e-mail autorização@unimedariquemes.com.br.

 

 

 

 

SAIBA MAIS SOBRE O COVID-19 (CORONAVÍRUS)

Coronavírus

O coronavírus de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus, causador da pandemia mundial que estamos vivenciando, foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China, tendo recebido o nome de COVID-19. O COVID-19 é de fácil disseminação, não tem ainda vacina e método de tratamento definidos, deixando todos expostos. Ainda que possa exisr dúvidas quanto ao seu grau de mortalidade, não existem dúvidas acerca do seu impacto, acerca da sobrecarga provocada pelo COVID-19 nos serviços de atenção a saúde, situação verificada já na Europa, notadamente Itália e Espanha,

Transmissão

As investigações sobre a transmissão do coronavírus ainda estão em andamento, mas a disseminação da doença se dá por contato próximo de pessoa por pessoa e pode ocorrer de forma continuada.

Alguns vírus são altamente contagiosos (como sarampo), enquanto outros são menos. Ainda não está claro com que facilidade o coronavírus se espalha de pessoa para pessoa. Apesar disso, a transmissão costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como:

  • Gotículas de saliva;
  • Espirro;
  • Tosse;
  • Catarro;
  • Contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão;
  • Contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.


O período médio de incubação por coronavírus é de 5 dias, com intervalos que chegam a 12 dias, período em que os primeiros sintomas levam para aparecer desde a infecção.

A transmissibilidade dos pacientes infectados é em média de 7 dias após o início dos sintomas. No entanto, dados preliminares sugerem que a transmissão possa ocorrer mesmo sem o aparecimento de sinais e sintomas. Até o momento, não há informações suficientes de quantos dias anteriores ao início dos sinais e sintomas uma pessoa infectada passa a transmitir o vírus.

 

Sintomas

Os sintomas são semelhantes a um resfriado. Podem, também, causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias. Os principais são indícios são:

  • Febre
  • Tosse
  • Dificuldade para respirar

Vale destacar que o vírus pode ficar incubado por duas semanas, período em que os primeiros sintomas levam para aparecer desde a infecção.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito com a coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou indução de escarro). É necessária coleta de duas amostras na suspeita do coronavírus (COVID-19), que serão encaminhadas para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen).

Para confirmar a doença é necessário realizar exames de biologia molecular que detecte o RNA viral. O diagnóstico é feito com a coleta de amostra, que está indicada sempre que ocorrer a identificação de caso suspeito.

Os casos graves devem ser encaminhados a um Hospital de Referência para isolamento e tratamento. Os casos leves devem ser acompanhados pela Atenção Primária em Saúde (APS) e instituídas medidas de precaução domiciliar.

Prevenção

Entre as medidas preventivas estão:

  • Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas ou que apresentem sintomas da doença;
  • Realizar lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente.  Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
  • Manter os ambientes bem ventilados;
  • Limpar e higienizar objetos e superfícies tocados com frequência;
  • Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.


Fonte: www.ans.gov.br
Autor: Unimed de Ariquemes