Você está em: Home » Notícias

 

Notica publicada em 30/05/12 às 11:00:30 hs

Cheiro do alimento interfere no tamanho da mordida

Cheiro do alimento interfere no tamanho da mordida, diz estudo americano


Francine Cadore

Pesquisadores afirmam que quanto mais intenso o aroma, menor é a mordida

 O cheirinho de comida que você sente quando o relógio já está quase apontando o meio-dia aumenta a sua vontade para que o almoço chegue logo? Pesquisadores ligados ao Food and Nutrition Institute, nos Estados Unidos, ajudam a entender o porquê: eles investigaram que o cheiro tem papel determinante no tamanho da mordida que se dá no alimento. 


Já se sabia que a dimensão do ato de morder está relacionado com a textura e a familiaridade com o alimento: comidas que precisam de mais mastigação ou desconhecidas tendem a levar mordidas menores. A pesquisa Food aroma affects bite size ( cheiro da comida afeta o tamanho da mordida) publicada pelo períodico Flavour, da BioMed Central, acrescenta que o aroma intenso também favorece as “dentadas”reduzidas.

Participaram da pesquisa 10 pessoas, seis homens e quatro mulheres, com idades entre 26 e 50 anos. Os testes consistiram em oferecer sobremesa de baunilha, por meio de um tubo que despejava o alimento direto na boca e monitorar o tamanho da mordida. Enquanto os participantes comiam o doce, diferentes cheiros eram oferecidos diretamente no nariz deles. Comprovou-se que quanto mais intenso o aroma que eles sentiam, menor era a mordida.

Controle do peso

Para os pesquisadores, a descoberta pode facilitar a produção de alimentos com alto índice de saciedade e pouco calóricos. Além disso, pode ser um instrumento para o emagrecimento. Em entrevista à revista Veja, o coordenador da pesquisa René A. de Wijk disse que manipular o cheiro do alimento pode fazer com que se consuma entre 5% a 10% a menos de comida por mordida. Combinar o aroma com o tamanho da porção poderia passar uma falsa sensação de saciedade ao corpo, o que ajudaria no controle da saciedade.

Fonte: Bio Med Central e site da revista veja, acessado em 29 de maio de 2012


Conteúdo aprovado pelo coordenador técnico-científico do Portal Unimed.



Fonte: http://www.unimed.com.br